Tribuna de Taguatinga

GRILAGEM DE LUXO

E-mail Imprimir PDF
Avaliação do Usuário: / 0
PiorMelhor 

 

TATÁ NÃO GOSTOU

De ver mais uma ação de Governo desmedida, trazendo sofrimento na Colônia Agrícola Vicente Pires. Em vez de coibir, prefere a ação de destruir quando uma solução já está tão perto. Governo Agnelo sem controle parecendo "BESTAS FERAS" com suas máquinas destruidoras e o requinte de destruir a residência por completo. Estamos assistindo um festival de medidas que só trazem sofrimento e aflição para todos os habitantes no Distrito Federal. Magela estava dando a solução final da Vicente Pires e foi apeado por medíocres enciumados dentro do próprio PT. Criar uma Secretaria para o que não precisava, pois Geraldo Magela estava no caminho certo. O MEDÍOCRE AGNELO não teve visão para tanto.

Em VEZ DE SOLUÇÃO, DESTRUIÇÃO. ATÉ QUANDO?

 

Não é porque é de luxo ou de qualidade das casas, é que se tem que fazer pirotecnia em cima de quem quer que seja, numa cidade que ja tem vários Shoppings funcionando e casas realmente de primeiro padrão, graças a  qualidade da população da Vicente Pires. É um erro no final do processo de legalização da Vicente Pires trazer intranquilidade e não sabendo quem manda no processo de legalização.

Sr. Magela, tome a frente e legalize  tudo o que puder ser legalizado JÁ! Exclua o que for errado JÁ!


 

 

GRILAGEM DE LUXO

Transcrito do Correio Braziliense

Na última quarta-feira, cerca de 50 pessoas fecharam um dos sentidos da Via Estrutural. Munidos de faixas, paus e pedras, os manifestantes queimaram pneus e impediram a passagem dos motoristas por mais de duas horas. O grupo protestava contra a derrubada de sete casas de luxo na Chácara 126 de Vicente Pires, todas erguidas irregularmente. Mas tudo não passou de uma grande encenação. Os moradores revoltados, na verdade, eram pedreiros contratados por um suposto grileiro de terras da região.
A reportagem do Correio apurou que os homens pagos para se passarem por proprietários indignados com a demolição são operários oriundos da Bahia. Há cerca de seis meses, o empresário do ramo da construção civil Sidney Pereira Lopes mandou buscar os trabalhadores na cidade de Barreiras. Na chácara alvo da ação do GDF, Sidney improvisou um precário alojamento de madeira a fim de abrigá-los. Desde então, o empresário usa o exército de empregados para driblar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado em 2006 entre o Ministério Público do DF (MPDFT) e o GDF. O acordo proíbe novas construções em Vicente Pires enquanto o processo de regularização da cidade não for concluído.
Juntos, os pedreiros conseguiam levantar uma casa de dois pavimentos e quatro quartos em menos de uma semana. As obras ocorriam  24 horas. Nem à noite os trabalhos eram interrompidos. Aliás, era na madrugada que os operários aceleravam a produção, por conta da fiscalização inexistente no horário. Sidney sabia que, depois de erguido e habitado, um imóvel dificilmente seria alvo de operações do governo. Por essa razão, ele cobrava rapidez dos funcionários. 

Custo alto
Na Chácara 126, foram construídas mais de 20 casas. Cada unidade custava, em média, R$ 600 mil. As maiores chegam a ter 900 m2. Ousado, o empresário tinha planos para formar um condomínio nobre. À revelia do Estado, cercou toda a área com um muro de quatro metros de altura, impedindo a visão de quem passa pela rua. Influente, conseguiu levar asfalto e energia elétrica ao parcelamento clandestino. Certo da impunidade, mandou erguer uma imponente guarita, que futuramente contaria com segurança privada. A maioria das unidades já estava vendida e os primeiros moradores iriam se mudar em breve. Quem adquiriu o imóvel recebeu apenas uma cessão de direito, documento que não dá autorização para ocupação de terras públicas.
O secretário adjunto da Secretaria de Estado de Ordem Pública (Seops), José Grijalma Farias, avisou que os compradores ficarão no prejuízo. “Até agora, ninguém se apresentou como dono. Se alguém, por ventura, tiver pagado por uma dessas casas, não será ressarcido porque trata-se de uma área pertencente à União”, disse. Das 20 residências de luxo levantadas na chácara, apenas sete foram demolidas, mas Farias garante que as outras 13 serão derrubadas em breve. “Nós seguimos um cronograma e as casas dentro dessa chácara que não foram ao chão são passíveis de erradicação a qualquer momento. Isso deve ocorrer nas próximas operações”, afirmou Farias.
Sidney Pereira Lopes trabalhou por mais de 15 anos na loja de materiais de construção Casa Forte, em Vicente Pires. Começou como vendedor e tornou-se gerente. Era braço direito do proprietário do estabelecimento comercial, Reynaldo Wagner Taveira, 51, preso no ano passado por agentes da Divisão Especial de Repressão ao Crime Organizado (Deco). Segundo investigações da Polícia Civil, ele pagava propina a auditores fiscais de obra da Agência de Fiscalização (Agefis) para receber informações privilegiadas sobre operações de derrubadas.
Por telefone, Sidney disse ser vítima de um complô e jurou não ter nenhuma relação com construções de casas luxuosas na chácara 126 de Vicente Pires. “O pessoal conversa demais. Não tenho nada ali naquela área. Tem gente fantasiando, tentando armar um complô contra mim”, defendeu-se. O suposto grileiro confirmou nutrir uma grande amizade com Reynaldo, mas garantiu nunca ter feito negócio com ele. “Eu trabalhei com ele por muitos anos e o conheço muito bem porque temos uma amizade, mas não passa disso”, disse.
 

Comentários  

 
0 #1 cleiton 27-06-2012 08:42
até qdo ficaram sem resolver esta situação, cadeia neles.
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Busca no Site

Quem está online

Nós temos 65 visitantes online

Enquete

Você acha que o Centro de Taguatinga deve ser esquecido e deixado para território do trafico?
 

Enquete

A cobertura jornalística dada aos transportes públicos no DF dignifica ou constrange a classe de jornalistas?
 

Faxina brazuca quiça



"Orgulho de ser brasileiro"
Leia mais...